… E aprendei de mim, que sou… humilde de coração.

Mateus cap. 11, vers. 29

Sempre que lemos o texto da entrada triunfal do Senhor Jesus em Jerusalém – registrado no capítulo 21 do Evangelho de Mateus – nos surpreendemos com tamanha humildade do Nosso Mestre.  Já que era para cumprir uma profecia vaticinada a pelo menos 760 anos atrás, por que não mandou buscar um dos imponentes cavalos da bem treinada cavalaria dos soldados romanos? Poderia entrar na cidade de Jerusalém num daqueles cavalos bem ornamentados, talvez um manga-larga marchador, e assim, estaria entrando pela cidade do Grande Rei como um grande estadista, uma vez que fora saudado como rei e causara alvoroço em toda cidade. Enfim, poderia, mas não foi isto que aconteceu. O escritor narra que o Senhor Jesus mandou dois de seus discípulos buscarem, pasmem, um jumentinho. Que maravilhosa lição de amor!

Queridos, o jumentinho representava o que de mais simples existia entre os animais para este tipo de situação. Pense comigo: para aquela época, você consegue imaginar um imperador César Augusto, que governava o vasto império romano quando Cristo nasceu, ou mesmo o imperador Tibério César, que governava quando foi crucificado, chegando a Roma montados em um jumento? É ridícula e muito patética esta ideia. Traduzindo para o contexto dos dias de hoje, será que um grande político, ou um famoso artista se atreveriam a tal façanha? Comparando as épocas e, claro, resguardando as devidas proporções, já imaginou um desses ilustres homens chegando para um evento engalanado num carro antigo, bem velhinho? Não, eles não fariam isto. Pois bem, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, Aquele que tudo criou, fez.

O Senhor Jesus é tão humilde e gosta tanto da humildade que não nasceu nos luxuosos palácios romanos, o centro da política mundial da época e nem tampouco nos palácios da Grécia, que era o centro da cultura mundial, mas sim, numa humilde manjedoura, para ser mais explícito, num cocho de animais se alimentarem.

A humildade não é apenas um comportamento ou simplesmente uma conduta moral a ser seguida. É muito mais que isso, é uma virtude. Agora, como conseguir tal virtude como Aquele que é o seu maior exemplo? A resposta é simples: Basta viver dia a dia ao lado do Mestre. Mas para se conseguir isto, necessário se faz que renunciemos a tudo aquilo que se interpões à humildade e renunciemos também, a nós mesmos. A quem não se ensina não se cobra, mas quanto a isso, já fomos ensinados pelo Senhor Jesus Cristo, no verso supracitado: “Aprendei de mim.

Por: Pastor Rudnei Marques de Siqueira

Siga: